segunda-feira, 18 de julho de 2011

Fotos do Piquete (Sit-in) contra Belo Monte e Novo Código Florestal em São Paulo

Fotos Movimento Brasil pela Vida nas Florestas e Luanda Francine

Na tarde do domingo 17 de julho, enquanto o Brasil conquistava sua pior colocação na história da Copa América, 500 manifestantes do Movimento Brasil pela Vida das Florestas realizavam seu primeiro Sit-In contra Belo Monte e as tentativas de alterações no Código Florestal Brasileiro.

Um sit-in ou sit-down é uma forma de protesto que envolve pessoas ocupando ou sentado no chão de um estabelecimento ou via pública. Em um sit-in, os manifestantes permanecem até que sejam expulsos, geralmente pela força, ou preso, ou até que seus pedidos sejam atendidos.

Nesta tarde de domingo o Brasil pelas Florestas realizou um primeiro experimento com seus ativistas e militantes. Sentou-se pacificamente no cruzamento da Av. Brigadeiros com a Av. Paulista cantando e manifestando, durante mais de 20 minutos, sua recusa a Belo Monte e as alterações ao Código Florestal.

A próxima reunião de organização do Movimento Brasil pela Vida nas Florestas será no dia 21 de julho, às 19h00, na Casa Jaya , rua Capote Valente 305, Pinheiros.




















Segue abaixo outras táticas de ação-direta não-violenta que seguem a mesma tradição do Sit-In

a) Métodos de ação direta – ações na justiça, ocupações pacíficas de locais proibidos, invasões de locais públicos, acampamentos, vigílias, aparições inesperadas em eventos públicos, palestras e conferências de imprensa.

b) Métodos de Protesto e Persuasão – denúncias, declarações públicas, discursos de protesto, comunicações massivas, atos públicos simbólicos, pressão sobre as autoridades, teatro e música, procissões, peregrinações, caravanas, fóruns e assembléias públicas, votações paralelas, retiradas e reuniões.

c) Métodos de Não-cooperação Social - boicotes, greves, fuga, suspensão de atividades sociais e desportivas, vazio ao poder estabelecido, refugio e emigrações.

d) Métodos de Não-cooperação Econômica – greves, boicotes, difusão de listas negras de empresas e ou de produtos, utilização de moedas paralelas, retiradas de depósitos bancários.

e) Métodos de Não-cooperação Política - rechaço a autoridade, negar-se a votar ou a pagar impostos e desobediência civil.

f) Métodos de Intervenção Não-violenta – Jejuns e greves de fome, tomadas de edifícios, invasões de terras, obstruções de ruas, avenidas e estradas, sistemas alternativos de comunicação e transporte, mercados paralelos, congressos e votações populares.

g) Desobediência Civil – consiste em desobedecer a leis injustas.

Escalas de ação:
A não-violência pode ser aplicada em diferentes escalas, desde pequenos conflitos em bairros, escolas, locais de trabalho até conflitos sociais mais amplos que envolvam cidades, estados e nações inteiras.

O que a torna eficaz não é o número de pessoas envolvidas, podemos ter pequenas equipes táticas bem treinadas, especializadas e muito eficazes em solucionar conflitos pontuais.

Já para transformações estruturais e revoluções sociais não basta coragem isolada, a luta precisa ser coletiva e organizada. E para ser viável e eficaz precisa se basear em três pontos:

- Organização de um movimento nacional e internacional
- Estratégia e táticas em vista de alcançar objetivos políticos e não somente humanitários.
- Elaboração de um projeto de sociedade diferente da sociedade capitalista.


Saiba mais nos links abaixo:

índice de Desobediência Civil

Histórico da Desobediência Civil e da Ação-Direta não-violenta

Sit-In (em inglês)

A Desobediência Civil. Autor: Henry David Thoreau

10 comentários:

Brasil disse...

Muito boa a iniciativa do pessoal de sentar no chão em protesto contra Belo Monte e as alterações no código florestal. Se não começar a ter mais ações diferenciadas como essa vamos nadar, nadar e morrer na praia. Sigamos o exemplo dos grandes lutadores como Gandhi, Martin Luther King e os zapatistas.
DESOBEDIÊNCIA CIVIL JÁ! DEMOCRACIA REAL JÁ!

Brasil disse...

Vamos fortalecer esse movimento! Não adianta fica reclamando sentando em uma poltrona num dia de domingo...

Estamos juntos!

xingu vivo para sempre disse...

Parabéns, os Povos do Xingu agradecem.
Belo Monte não passará!
Xingu Vivo para Sempre.
Marquinho Mota

Everson Merino da Silva Santos disse...

Não é fácil o trabalhador do campo ter que enfrentar mais esses protestos depois de tanto tempo de iligalidade por conta do antigo código.
Seria interessante ver nessas fotos os mesmos trabalhadores do campo e os indigenas que realmente são os afetados (impacto positivo, ou negativo?). Mas não, o que se vê são jovens pequenos burgueses, anarco-punks e nenhum jovem trabalhador do campo, menos ainda indigenas jovens, concluo com isso, que o novo código florestal e Belo Monte são verdadeiros instrumentos de desenvolvimento humano e social, pois os povos afetados estão agradecidos pela implantação dessas politicas afirmativas. Mas o dia em que vocês mobilizarem milhares de indigenas e trabalhadores do campo, talvez essa manifestação tenha algum sentido, mas por enquanto não faz nenhum.

Paulo K. Fonseca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo K. Fonseca disse...

Visão bem limitada, hein Everson?
Será q é tão dificil fazer a reflexão que essas pessoas que você cita são tão desprivilegiadas que não têm nem dinheiro para vir para são paulo? Isso me soa como um discurso puramente reacionário, e que não baseia nas opinião das pessoas que são atingidas por esses fatos que protestamos na manifestação. Ou pode ser tb que vc faça parte dessa pequena minoria que será privilegiado com as questões que aqui pautamos.

O dia que você postar uma pesquisa sobre a opinião dos trabalhadores rurais sobre as mudanças do código e sobre a opinião dos indígenas em relação à construção de belo monte, seu comentário poderá até ser considerado por alguém... mas por enquanto, oq realmente não faz sentido nenhum aqui, é oq vc escreveu.

Paulo Fradinho disse...

Everson diz:

"Seria interessante ver nessas fotos os mesmos trabalhadores do campo e os indigenas que realmente são os afetados"

"concluo com isso, que o novo código florestal e Belo Monte são verdadeiros instrumentos de desenvolvimento humano e social"

"os povos afetados estão agradecidos pela implantação dessas politicas afirmativas"

e o que mais, Everson?
por acaso já lhe ocorreu que os "beneficiários" dos programas que vc enaltece NÃO TEM RECURSOS SEQUER PARA SAIR DE SUAS CASAS, DE SUAS ALDEIAS PARA DEFENDER O POUCO QUE LHES RESTA, e os poucos que aqui estão, permanecem aqui com grande dificuldade?
Sim, meu caro! eles estão aqui!

Mas, o que vc me diz das invasões de terras indigenas? ameaças de morte, assassinatos
no campo, assissinato de lideranças indigenas, acordos forjados(MENTIROSOS) pelo Governo Federal...
as mais mais de 20 mil familias, dentre elas 37 etnias em risco de perder a terra, a vida..
ações do Ministério Público do Pará contra projetos de barragens na Amazônia, trafico de drogas e prostituição infantil para desestabilizar as culturas indigenas, completo e irrestrito desrespeito aos direitos humanos, destruição indiscriminada de gigantescas áreas de florestas em nome do "progresso"..e uma lista a perder de vista além de corrupção e genocídio?
quer conhecer "trabalhadores do campo" e lideranças "indigenas"? pois com esse seu 'discursinho reacionário'..o máximo que vc vai conseguir é um 'apito' para acompanhar os jogos da seleção!

se, ao contrário o que vc busca é informação, dê uma busca aqui mesmo no site Brasil pelas Florestas e INFORME-SE!!!!

Paulo Fradinho disse...

Para o Everson ficar bem informado:

Usina de Belo Monte faz suas primeiras vítimas
Sem ter para onde ir, famílias dos baixões vivem primeiros desesperos causados pela Usina.


Vão subindo para um dos pontos mais altos da cidade. Trazem no ombro foices, enxadas e facões. E crianças no colo. O sol corta o rio Xingu, ainda gelado.
Vinte de maio, era o princípio de uma ocupação urbana de famílias sem-teto em Altamira, no Pará. Eu estava lá; chegara algumas horas antes e podia ver se aproximarem, de cima, as pessoas, os cachorros, as conversações. Um pouco de barulho matinal.
Esta era a segunda ocupação na cidade nos últimos dias. As duas estão na conta da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Trinta mil famílias alagadas – e nem sinal de indenização. Dizem que em Tucuruí, no processo da construção, ocorreram 37 ocupações – o que significa que, aqui, estamos apenas no começo.
As mulheres iam roçando e dividindo os lotes: 20 por 10 metros. Os homens iam roçando e dividindo os lotes: 20 por 10 metros. As crianças não se divertiam. Fogueiras queimavam cobras e alguma juquira. No cadastro improvisado, 135 famílias. No terreno cabem mais ou menos 200 famílias, guardando o devido espaço para ruas, escola, posto de saúde e centro comunitário.
Segundo dia de ocupação. Vinham mais famílias às bicas; carregavam consigo garrafas térmicas com o café fraco e borrento e potinhos com bolos e cozidos, e mais crianças. Atrás delas, vinha a polícia. Com as armas. Atrás deles, os cachorros.
Um delegado muito sóbrio vinha com um título de propriedade em punho. Ali dizia: terreno da Eletronorte. Achava tratar-se do mandado de reintegração de posse. “Mas, seu guarda, onde tá o mandado e reintegração de posse?”. Com esta pergunta fui levado para a delegacia e indiciado por esbulho possessório e acusado de liderar a tropa. As famílias são despejadas sob cassetetes e spray de pimenta. A polícia leva todas as ferramentas.
continue lendo..
http://nipbr.blogspot.com/2011/07/usina-de-belo-monte-faz-suas-primeiras.html?spref=fb

sergio paes disse...

Lamentável seu discurso irrustido, Sr. Everson. Acho que vc tem dificuldade em saber o que é solidariedade, rapá. Em quanto vc via o Brasil perder do Paraguai, naquela linda tarde de domingo 700 pessoas levantavam bem alto outra bandeira do Brasil, num jogo muito mais difícil, o jogo da vida dos desfavorecidos desse PAC/Dilma e dos 30 Bilhoes, 30 BILHOES que serão gastos para matar o Xingu e suas populações. 30 Bilhoes que poderiam ser usados para construir 4 escolas e 2 hospitais em cada uma das 5.400 e poucas cidades brasileiras, meu caro Everson. Grande parte dessa grana está saindo do BNDS, dinheiro do povo que milhares de pessoas, eu e todos as 700 pessoas que foram se manifestar nessa tarde de domingo, somos contra.
Sua conversa é irrustida... porque vc não sabe pensar com a cabeça e com as certezas do coração meu caro, vc não sabe o que é solidariedade! O tempo passará, e vc irá assistir nossa vitória, muito além da copa américa, e dela vc não esquecerá... porque será a sua frustração, tb irrustida! Lamento a franqueza, e espero que pelo menos respeite a esperança que temos nas mudanças para um mundo melhor para os nossos e seus filhos! Saudações!

Eliane Carmanim Lima disse...

Parabéns pelo blog. Peço ajuda na divulgação de uma nova petição 100 % brasileira cpntra Belo Monte ! http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=xingu e no blog relacionado a isto linkei este blog.
http://todosemdefesadanatureza.blogspot.com/

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Sweet Tomatoes Printable Coupons